Mozambique

Marta Cumbi Alice-banze IMG_8903

Country Summary:

Board Members Marta Cumbi
Staff Members Alice Banze and Raul Manhisse
When registered 2011
Alliance focal network Mozambique – Forum Mulher

Angola – Plataforma Mulher em Acção

Government COEs 19
View the Centres of Excellence
Media COEs 12 See GL in News
Key partners Ministry of Gender, Ministry of Environment, Ministry of State Administration, Ministry of Health, National Municipality Association, Forum Mulher, Plataforma Mulher em Acção, Mozambican Parliament, WLSA, Oxfam, MASC, DIALOGO, Local women’s Associations, Diakonia, We-Effect, COEs Local Government, Entrepreneurship Councils, Media Houses

Read more in the Mozambique  county report.

Mozambique Strategy 2016 – 2020 


 

Photo 33

Photo 33

Mozambique, December 2012

November 7, 2012 Themes: Gender equality Programs: Gender Justice

Moçambique: Momento para as mulheres fazerem-se ouvir

Neste mês de Outubro, Moçambique celebrou 20 anos de paz. HÁ¡ 12 anos, o mundo adoptou a Resolução 1325 do Conselho de Segurança das NaçÁµes Unidas, que encadeava a luz sobre o impacto do conflito armado sobre mulheres e raparigas.

Ainda o Mês da Paz não tinha terminado quando um acontecimento veio mostrar quão ténue é a certeza de que a paz veio para ficar: o lÁ­der da Renamo, Afonso Dhlakama, saiu de Nampula, onde havia montado a sua residência, para Gorongosa, uma das antigas bases do movimento armado.

Independente das questÁµes polÁ­tico-militares que a permanência de Dhlakama em Gorongosa encerra, um aspecto salta Á  vista. No seio dos gritos que clamam por um diÁ¡logo entre a Frelimo e Renamo, nenhuma delas é de uma mulher.

Moçambique: Celebrar o dia da paz de barriga vazia: fome ameaça ou não Á  paz?

Enquanto a nÁ­vel oficial os moçambicanos se juntavam para celebrar 20 anos de paz, o dia 4 de Outubro parece ter passado despercebido para muitos. Julgando pelos dados estatÁ­sticos sobre a pobreza no paÁ­s, é possÁ­vel arriscar o argumento de que muitos passaram o dia de barriga vazia.

O Secretariado Técnico de Segurança Alimentar (SETSAN), citado pelo Programa das NaçÁµes Unidas para a Alimentação (PMA) em Moçambique, a fome tem estado a afectar milhares de pessoas durante este ano. Segundo a representante do PMA em Moçambique, Lola Castro, 24 por cento da população moçambicana À“ cerca de seis milhÁµes de pessoas À“ sofreram algum tipo de segurança alimentar ao longo do ano.

Moçambique: Escassez de Á¡gua e os caminhos da paz

A Á¡gua tem vindo a ser apontada como um lÁ­quido precioso que poderÁ¡ num futuro próximo ser um factor de instabilidade polÁ­tica e conflicto inter-estatal e intra-estatal.

O mais recente relatório do Conselho Nacional de Inteligência dos Estados Unidos da América sobre Á¡gua e segurança global argumenta que regiÁµes de África, Médio Oriente e Ásia Menor “irão enfrentar graves desafios em lidar com problemas de Á¡guaÀ, como resultado de crescimento populacional e demanda económica. “Estes desafios irão aumentar os riscos de instabilidade dentro e entre estados,À lê-se no relatório.

Em Moçambique, existem zonas onde hÁ¡ problemas sérios de escassez de Á¡gua. Chigubo, provÁ­ncia de Gaza, é uma das zonas que mais se ressente da escassez de Á¡gua. Actualmente, o fardo da escassez recai sobre os ombros das mulheres e raparigas de Chigubo.

Moçambique: SalÁ¡rio diferenciado para trabalho igual periga a paz

Os discursos oficiais que caracterizaram o Dia da Paz foram unânimes em sentenciar que a paz conquistada pelos moçambicanos veio para ficar. E quase todos concordaram que a paz é uma condição sine qua non que no tocante ao desenvolvimento.

Se olharmos do ponto de vista do calar das armas, posso até concordar que sim. Contudo, se considerarmos que a paz também pressupÁµe a ausência de pensamentos negativos, ira, desconfiança, acredito que estamos muito longe de atingir uma paz efectiva no paÁ­s. No meu entender, a paz não significa apenas o fim da guerra, mas sim um completo bem-estar do ser humano.

Moçambique: subalternidade da mulher obstÁ¡culo para construção e consolidação da paz

Este artigo pretende problematizar o papel da mulher na construção e consolidação da paz em Moçambique, num ambiente em que ela ainda vive como uma das principais vÁ­timas da pobreza e da estigmatização social em termos de participação polÁ­tica, acesso a recursos e redistribuição da renda nacional.

Critical citizenry takes on advertisers in Mozambique

Critical citizenry takes on advertisers in Mozambique

Mozambican women’s and human rights organisations successfully managed to pressure Cervejas de Mocambique (CDM – Beers of Mozambique), the local subsidiary of South African Breweries, to withdraw sexist advertisements promoting its Laurentina Preta brand of dark beer.

Moçambique: Necessidade de adopção de Plano Nacional de Acção para implementação da Resolução 1325

Apesar de que Moçambique celebrou recentemente 20 anos de assinatura do Acordo Geral da Paz, ela continua uma miragem para um crescente número de mulheres no lar.

Dados do Instituto Nacional de EstatÁ­sticas (INE) apontam que 32 porcento de mulheres no paÁ­s sofreu algum tipo de violência das mãos dos seus parceiros. É verdade que a paz pode significar a “ausência de guerraÀ, mas não é menos verdade que significa também “um estudo de calma ou tranquilidade, uma ausência de perturbaçÁµes.À

Zimbabwe: SerÁ¡ que a circumcisão mudarÁ¡ ou reforçara o machismo?

Um clima de curiosidade sóbria carectarizava o Centro de Planeamento Familiar de Silhaus, em Harare, enquanto uma dezena de homens À“ jovens e adultos À“ esperavam pela sua vez Á  sala de cirurgia de modo a terem o seu prepúcio cortado.

Na esteira de uma pesquisa que concluiu que a circumcisão reduz o risco de transmissão do HIV em cerca de 60%, a USAID começou a financiar um programa que visa circumcisar dois milhÁµes de zimbabweanos até 2015. Até Á  data, 55 mil submeteram-se Á  operação

Moçambique: Respeito e assédio sexual institucionalizado

Moçambique celebra no dia 4 de Outubro de 2012 20 anos de Paz desde a assinatura dos Acordos de Roma, em 1992, entre a Frelimo e a Renamo. O que significa a paz através do meu olhar feminino?

Sendo uma mulher e tendo sido educada numa sociedade matrilinear e, posteriormente, numa sociedade patrilinear, onde se ensina, acima de tudo, tolerância, sobretudo com os homens, fico muito preocupada nos últimos tempos quando me falam de tolerância. Entenda-se que nessa perspectiva a tolerância significa aturar, suportar.

Mozambique

Office

Country ManagerAlice Banze
Phone00 258 214 04923
Emaildirlusophone@genderlinks.org.za
AddressAv. Ahmed Sekou Touré, 3025, Maputo, Moçambique