PORTUGUESE

África Austral: Onde estÁ¡ o homem

Envolvimento do homem, género, SADC

África Austral: apelo para a adopção da Adenda sobre género e mudanças climÁ¡ticas

Aliança, Adenda sobre mudanças climÁ¡ticas, Fórum Mulher, Cimeira da SADC

Moçambique: Descriminada no mercado laboral por estar grÁ¡vida

Alguns empregadores continuam a insistir com o pensamento sexista de que o lugar da mulher é na cozinha. Considere o caso de Dalila Samate*: por pouco perdia o emprego por estar grÁ¡vida.

Samate disse ter sofrido discriminação no trabalho por ter engravidado no decurso de um contrato de seis meses, com possibilidade de renovar para indeterminado.

Moçambique: Vantagens da descriminalização do aborto

A provÁ¡vel descriminalização do aborto inseguro estÁ¡ a suscitar acesos debates na sociedade moçambicana. Os debates podem influenciar na tomada de decisão da Assembleia da República que se vai reunir nos próximos meses para aprovar o novo Código Penal, que, entre outras, aborda a problemÁ¡tica de aborto inseguro.

Moçambique: Para quando coveiras?

O espaço laboral foi desde o inÁ­cio visto como um espaço masculino. Porém, com o advento da Revolução Industrial as mulheres começam a “invadi-loÀ e a transformar por completo as relaçÁµes sociais.

Segue-se daÁ­ que a mulher começa a fazer trabalhos que antes se afiguravam ser da provÁ­ncia masculina À“ o único senão é que a empregabilidade da mulher era mais no sentido de se ter uma mão-de-obra barata visto que se pagava menos Á  mulher do que ao homem pelo mesmo trabalho, o que ainda se verifica, não sendo, por isso, uma questão de direito ao trabalho mas sim de conveniência, visando maximizar os lucros.

Moçambique: Banca trata mulheres como enteadas

Apesar de vÁ¡rios estudos indicarem que mais mulheres do que homens pagam os créditos e juros dentro dos prazos, hÁ¡ evidências de que os bancos moçambicanos continuam a trata-las como “enteadasÀ no acesso ao crédito.

Protocolo de Genero da SADC Barometro 2012

Protocolo de Genero da SADC Barometro 2012

O poder da mulher invadiu a cena da África Austral de uma maneira visÁ­vel em 2012. Primeiro, Joyce Banda inesperadamente assumiu o posto de primeira Presidente mulher do Malawi, e a primeira mulher Chefe de Estado da SADC, em Abril. Depois a antiga Ministra dos Assuntos Internos da África do Sul, Nkosozana Dlamini-Zuma, percorreu o seu caminho passando por vÁ¡rias barreiras para se tornar na primeira mulher a presidir a Comissão da União Africana depois de uma renhida batalha em Julho.

Moçambique: Género e Participação polÁ­tica

Participação polÁ­tica é a possibilidade que qualquer cidadão ou grupo social tem de influenciar de forma efectiva a agenda pública local, nacional ou internacional, através da participação legal e activa no sistema representativo, a partir do voto, nas campanhas, nas eleiçÁµes e na estrutura legislativa.

Mozambique: O Duplo Dilema da Regina

Vilanculo (Inhambane), 16 de Junho de 2012 – o nÁ­vel de educação no paÁ­s não é dos melhores, e para menores no distrito de Vilanculo, em Inhambane, a situação só pode piorar devido aos elementos do clima.
É que para menores como a Regina, uma rapariga de 13 anos, fazendo sol ou chuva, ir para a escola parece não ser prioritÁ¡rio. Por exemplo, hoje ela não foi a escola porque esteve a chover; a chuva em si não é o problema. O problema reside no facto de a sua escola não possuir cobertura, sendo que, quando chove não se pode estudar.
Mas o facto de a chuva impedir que a Regina não vÁ¡ Á  escola não significa que ela fica em casa. Pelo contrÁ¡rio, ela tem de pegar no bidão de Á¡gua, sair Á  rua e recolher a Á¡gua que se acumula em poços nas bermas da estrada.
Mas também nos dias em que não chove, ela atrasa ou acaba faltando porque tem de percorrer longas distâncias Á  procura de Á¡gua.

Mulheres exigem inclusão nos esforços para salvar florestas

As vidas de mulheres e florestas estão estreitamente interligadas. As mulheres usam as Á¡rvores para lenha, como uma fonte de ervas medicinais, cola, alimento para animais, cera, mel e frutas. As florestas ajudam no alÁ­vio da pobreza visto que as mulheres podem sustentar as suas famÁ­lias vendendo fruta. As mulheres também usam as Á¡rvores como sombra e protecção contra o vento em suas casas, e os galhos resultam em boas vassouras com as quais varre-se o quintal.